» » De volta após viagem de cavalo a Brasília, Cavaleiro da Esperança passa por Chiapetta

De volta após viagem de cavalo a Brasília, Cavaleiro da Esperança passa por Chiapetta

Conhecido como Cavaleiro da Esperança, o Zootecnista Gilberto Luiz Utzig, de 56 anos, esteve de passagem pelo município de Chiapetta na última semana. Sentado na área do CTG da Cabanha Santa Cinilda, onde foi acolhido, Gilberto conta aos velhos amigos como foi a sua jornada em busca de recursos para o Hospital São Luiz Gonzaga.

Antes mesmo de iniciar a prosa, Beto como é conhecido por aqui, relembrou a sua infância no interior do município de Chiapetta. Natural de Selbach, veio para cá com a família quando tinha oito anos e residiu por dois anos. Mesmo sendo pouco tempo, conheceu muitas pessoas, muitos amigos de seu pai, que se tornaram seus amigos também.

A história do Cavaleiro da Esperança inicia após retornar do estado de Mato Grosso para a cidade de São Luiz Gonzaga. Sabe pela imprensa local sobre a situação financeira do Hospital São Luiz Gonzaga, envolvendo atrasos na folha de pagamentos, precariedade nas condições da estrutura física e, comovido, decide ajudar. Gilberto conta que foi até o hospital para conversar com a administradora, que prontamente explicou a realidade da casa de saúde. Sabia que podia se doar pela causa e foi aí que apresentou a proposta: viajar a cavalo até Brasília, sozinho, sem nenhum custo ao hospital, na tentativa de sensibilizar as lideranças políticas e a quem estivesse disposto ajudar.

Data da saída: sábado, dia 06 de agosto de 2016. Trajado de gaúcho como sempre, camiseta de identificação, duas éguas, uma bandeira com as cores do Rio Grande do Sul e emblema do Hospital São Luiz Gonzaga, o Cavaleiro da Esperança partiu em defesa da instituição. Não sabia ao certo se iria conseguir alguma coisa, mas manteve o foco e seguiu. “Os primeiros 300 quilômetros foram os mais difíceis”, conta. Preferiu viajar com a ajuda das pessoas que iria encontrar pela jornada e nem sempre foi bem acolhido.

Levou 99 dias para chegar a Capital Federal do Brasil, Brasília. Um total de 2.700 km percorridos, passando por sete estados. Chegou em 13 de novembro de 2016. Permaneceu na Capital Federal por 36 dias. Durante a estadia, almoçou cerca de seis vezes e contou com a sorte de visitar Brasília na época da fruta manga, sendo a sua principal alimentação e dos animais neste período.  Visitou os gabinetes de todos os deputados federais em busca de recursos e emendas parlamentares e aproveitou para buscar conhecimento nos ministérios. Com muita persistência, o Cavaleiro da Esperança conseguiu o montante de R$ 23 milhões em emendas em prol do hospital para os anos de 2017 e 2018. O valor, segundo ele, superou as expectativas e a viagem, apesar de todos os percalços e considerada por muitos uma loucura, valeu a pena.

O Cavaleiro da Esperança está concluindo sua viagem de volta a São Luiz Gonzaga. Mais demorada, Gilberto explica que para voltar não usou de pressa. Percorreu por novos municípios, passou por caminhos utilizados pelos tropeiros no passado, foi convidado para eventos em que participou como palestrante, falando a respeito da sua missão em prol da instituição de saúde. Teve que interromper por alguns dias a trajetória, pois precisou voltar ao hospital para ajudar na elaboração dos projetos, mas sempre retomava do último ponto. Durante este tempo contou com a ajuda de seis cavalos para percorrer os mais de 4.000 Km.

Como viveu na infância no município de Chiapetta, Beto destaca que não poderia deixar de incluir em seu roteiro uma passagem no município de Chiapetta. Chegou no dia 31 de dezembro, sendo bem acolhido pelos velhos amigos.  Feliz com o sucesso da sua missão, e de poder ter se doado em nome de uma causa tão nobre, o cavaleiro contou ainda para finalizar alguns dos seus projetos em prol do Hospital São Luiz Gonzaga. Está promovendo uma rifa com alguns dos cavalos que recebeu de presente durante sua viagem, está escrevendo um livro para contar em detalhes sua missão e vem auxiliando a equipe do hospital na elaboração e encaminhamento dos projetos para que a instituição venha a se tornar uma referência no Estado.

Deixe uma resposta