» » Venda de peixe nas propriedades durante a Semana Santa ultrapassou 2 toneladas

Venda de peixe nas propriedades durante a Semana Santa ultrapassou 2 toneladas

A Secretaria Municipal da Agricultura e Pecuária informou na segunda-feira (13), que a comercialização de peixe nos dias 04 e 08 de abril resultou na venda de cerca de 2.700 kg de pescados. Neste ano, por conta da pandemia de Coronavírus não foi possível realizar a tradicional Feira do Peixe Vivo, mas a partir da parceria com agricultores do município, foi realizada a despesca nas próprias propriedades, seguindo todas as recomendações e evitando aglomerações de pessoas.

Na despesca realizada na propriedade de Rodrigo Stopiglia, localizada em São Judas, foram comercializados 1.200 kg de peixe de diversas espécies. Além disso, os peixes menores que restaram foram repovoados no Rio Inhacorá. Já na propriedade de Egon Boing, situada em Linha Modesta, 1.500 kg de peixe foram vendidos. Nos dois locais de venda o preço pago pelo quilo de peixe foi o mesmo, ou seja, R$8,00 para Carpa Capim e R$6,00 para as demais espécies.

A Secretaria Municipal da Agricultura e Pecuária está contente com a comercialização de pescado e satisfeita porque boa parte dos peixes vendidos fazem parte do Programa de Incentivo a Piscicultura. Desenvolvido no município desde 2018, a iniciativa prevê desconto de até 50% no valor pago por alevino, além de ser um incentivo aos produtores para que adquiram os alevinos, povoem os açudes, proporcionando assim, a diversificação da produção, mais renda e desenvolvimento para os agricultores e para o município.

Além da comercialização direta nas propriedades, o município também adquiriu para compor a cesta básica mensal de páscoa dos servidores municipais, filés de tilápia produzidos no município pela Agropeixe. A compra do produto se soma a outros produtos produzidos pela agricultura familiar de Chiapetta e que foram entregues na casa de cada servidor. A mandioca da Agroindústria Klipstein, massa e bolacha caseira da Agroindústria Renascer, batata-doce, alface, rúcula e rabanete de agricultores familiares, além dos itens básicos como arroz, açúcar, farinha de milho e de trigo, feijão, óleo e sal.